EXPLORANDO UMA ABORDAGEM MULTIDIMENSIONAL PARA AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS PROMISSORAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51923/repae.v9i2.357

Palavras-chave:

Nível de maturidade tecnológica; atratividade de mercado; produto promissor; tecnologia emergente

Resumo

Este artigo propõe um modelo de análise tecnológica para avaliar tecnologias emeergentes, visando aprimorar a comercialização e transferência de tecnologia entre instituições científicas e empresas. A metodologia utilizou uma abordagem integrada de três níveis de avaliação: Nível de Atratividade do Mercado (MAL), Nível de Prontidão do Cliente e Nível de Prontidão Tecnológica (TRL). Esses modelos foram identificados em um levantamento bibliográfico e, para mitigar a subjetividade da análise, o estudo propôs o uso de bandas de análise, com limites mínimos e máximos. Além disso, empregou a média geométrica para agregar as respostas, evitando o efeito de substituição perfeita entre os critérios (outliers) que poderiam ocorrer ao utilizar a média aritmética simples. Essa abordagem proporcionou maior equilíbrio entre as variáveis da escala de avaliação, evitando que valores discrepantes atribuídos por um especialista afetassem excessivamente o índice de análise. Os resultados sugerem que essa nova forma de avaliação pode aumentar a taxa de sucesso na comercialização e transferência de tecnologia, fortalecendo a colaboração entre pesquisadores acadêmicos e as necessidades do mercado. A contribuição do estudo reside na melhoria da análise tecnológica, facilitando a integração efetiva entre a pesquisa acadêmica e o setor empresarial, impulsionando o desenvolvimento tecnológico e a inovação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Anand, S., & Sen, A. (1994). Human Development Index: Methodology and Measurement.

Amaral, L.F.G. & Arnaut, B. M. (2022). Avaliação De Prontidão Tecnológica como Prática de Gestão para Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação de Produtos Estratégicos de Defesa. Trabalho de conclusão de curso apresentado no Curso de Especialização de Altos Estudos em Defesa da Escola Superior de Defesa (ESD).

Barbalho, S. C. M., Ghesti, G. F., Carvalho, S. M. S., dos Santos, C. D., Martin, A. R., & Eliane, R. (2019). Capítulo 2 A Gestão da Inovação na Universidade de Brasília. In BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO EM NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA: Experiências Inovadoras.

Brasil, Lei nº 9729, de 14 de maio de 1996. Regula os direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 8353, 15 mai. 1996.

Brasil, Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n 232, p. 2-4, 3 dez. 2004.

Brasil, Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n 07, p 1-5, 11 jan. 2016.

Brasil, Lei Complementar nº 182, de 1º de junho de 2021. Institui o marco legal das startups e do empreendedorismo inovador e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n 07, p 1-4, 1º jan. 2021.

Catarino, L. C. (2014). Abordagem dos modelos de TRL, MRL CMMI-DEV aplicada ao desenvolvimento de pequenos e médios fornecedores na cadeia produtiva espacial. São José dos Campos: INPE.

Héder, M. (2017). From NASA to EUA: The evolution of the TRL scale in Public Sector Innovation. The Innovation Journal, 22(2), 1-23.

Hicks, N., & Streeten, P. (1979). Indicators of development: The search for a basic needs yardstick. World development, 7(6), 567-580.

Joung, J.; Kim, K. (2017). Monitorando tecnologias emergentes para planejamento de tecnologia usando análise técnica baseada em palavras-chave a partir de dados de patentes. O Technol. Previsão. Soc. Chang., 114, 281-292.

Kim, G.; Bae, J. (2017). Uma nova abordagem para prever tecnologia promissora através da análise de patentes. O Technol. Previsão. Soc. Chang., 117, 228-237.

Know & Jong-Ku (2018). Um estudo de caso sobre a seleção promissora de produtos Indicadores para Pequenas e Médias Empresas. Journal of Open Innovation.

Mankins, J. C. (1995). Technology readiness levels. White Paper, April, 6(1995), 1995.

Paun, F. (2011). "Demand Readiness Level" (DRL), a new tool to hybridize Market Pull and Technology Push approaches. Springer Encyclopedia JEL Code O14, O3, O44.

Paun, F. (2012). The demand readiness level scale as new proposed tool to hybridise market pull with technology push approaches in technology transfer practices. In Technology transfer in a global economy (pp. 353-366). Springer, Boston, MA.

Sarfaraz, M., Sauser, B. J., & Bauer, E. W. (2012). Using system architecture maturity artifacts to improve technology maturity assessment. Procedia Computer Science, 8, 165-170.

Straub, J. (2015). In Search of Technology Readiness Level (TRL) 10. Aerospace Science and Technology, 46, 312-320.

Tao, L.; Probert, D.; Phaal, R. (2009). Rumo a uma estrutura integrada para a gestão do processo de inovação. P&D Manag., 40, 19-30.

UNDP (United Nations Development Programme). (2010). Human Development Report 2010: The Real Wealth of Nations: Pathways to Human Development. New York.

US Department of Defese (2009). Technology Readiness Assessment (TRA) Deskbook.

Young, R., Montgomery, E., & Adams, C. (2007). TRL assessment of solar sail technology development following the 20-meter system ground demonstrator hardware testing. In 48th AIAA/ASME/ASCE/AHS/ASC Structures, Structural Dynamics, and Materials Conference (p. 2248).

Yun, J.H.J.; Won, D.; Jeong, E.; Park, K.; Lee, D.; Yigitcanlar, T. (2017). Desmantelamento da Curva Invertida de Inovação Aberta. Sustentabilidade, 9, 1423.

Downloads

Publicado

2023-08-31

Edição

Seção

Artigos