AS VANTAGENS COMPARATIVAS DAS EMPRESAS TRANSPORTADORAS DA CIDADE DE APARECIDA DE GOIÂNIA – GO:

UM ESTUDO DAS PERCEPÇÕES DOS GESTORES DAS ORGANIZAÇÕES DE INSTALAREM OU NÃO SUAS EMPRESAS NA CIDADE

Autores

  • Raissa César FEI
  • Marcelo Barbosa César
  • Lorena Furtado Borges

DOI:

https://doi.org/10.51923/repae.v9i2.343

Palavras-chave:

Implantação de Empresas, Vantagem Competitiva, Logística, Transporte de Carga, Estado de Goiás

Resumo

Para identificar as vantagens comparativas na percepção dos gestores das organizações de transportes de cargas sobre a instalação ou não de uma empresa de transportes no município de Aparecida de Goiânia – GO, foi realizada uma pesquisa de campo com abordagem qualitativa e análise descritiva e interpretativa, no período de maio a novembro de 2022. Os resultados deste estudo permitiram a construção do modelo empírico das vantagens comparativas de instalar empresas de transportes na cidade de Aparecida de Goiânia – GO, que são apresentados em quatro grupos: econômico-financeiro, administrativo, comercial e operacional. No grupo econômico-financeiro encontram-se fatores da economia de escala na utilização dos insumos de produção do serviço de transportes, na comercialização e o no escoamento de produtos agroindustriais regionais, na existência de projetos de incentivos fiscais na cidade, e do valor econômico atrativo das áreas para a instalação das empresas. No grupo administrativo identificou-se a oferta de mão de obra no ambiente regional, a disponibilidade de áreas no território para expansão das organizações, a existência de entidades representativas do setor na localidade. No grupo comercial fatores como: projetos municipais destinados a fomentar o crescimento do número de empresas na cidade, a existência de empresas demandantes de serviço de transportes de cargas na região, e o crescimento agroindustrial regional foram observados na localidade. Por fim, no grupo operacional destaca-se a existência de uma malha rodoviária que permite as diversas conexões para todas as regiões e unidades da federação do Brasil, a oferta dos serviços públicos nas áreas destinadas à instalação das empresas, a presença das concessionárias dos fabricantes de caminhões e de empresas para o apoio à manutenção dos veículos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, S. A.; SOUSA, A. J. F. P. Qualidade da informação e intuição na tomada de decisão organizacional. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 16, n. 1, p. 133-146, 2011.

ANJOS, F. H.; COSTA, M. J. P. Desenvolvimento econômico regional: uma abordagem acerca da teoria de polos de crescimento e de aglomerações produtivas. In: VI Congresso em Desenvolvimento Social, 2018, Montes Claros. Anais […]. Montes Claros: Universidade Estadual de Montes Claros, 2018. Disponível em: <https://congressods.com.br/sexto/anais_sexto/ARTIGOS_GT05/DESENVOLVIMENTO%20ECONOMICO%20REGIONAL%20UMA%20ABORDAGEM%20ACERCA%20DA%20TEORIA%20DE%20POLOS%20DE%20CRESCIMENTO%20E%20DE%20AGLOMERACOES%20PRODUTIVAS.pdf>. Acesso em: 23 jan. 2023.

ANTT – AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. Resolução Nº 4.799, de 27 de julho de 2015. ANTT, Brasília, 2015. Disponível em:<https://anttlegis.datalegis.inf.br/action/UrlPublicasAction.php?acao=abrirAtoPublico&sgl_tipo=RES&num_ato=00004799&seq_ato=000&vlr_ano=2015&sgl_orgao=DG/ANTT/MT&cod_modulo=161&cod_menu=5411>.Acesso em: 06 mar. 2022.

ANTT – AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RNTRC em números. Brasília, DF, 2022.

ARRIEL, M. F. Identificando municípios polos em Goiás e seu raio de influência. Os polos econômicos do Estado de Goiás, Goiânia, p. 7-23, 2011.

BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos/logística empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento, organização e logística empresarial. Porto Alegre: Bookman, 2005.

BALLOU, R. H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. 1ª ed. São Paulo: Atlas, 2015.

BARCHET, I. Aglomerações industriais e polos econômicos regionais: uma análise comparativa entre a região Sul do Brasil e a Província de Québec/CA. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional e Agronegócio), Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Toledo, 2016.

BIRD, J.; STRAUB, S. The Brasilia experiment: the heterogeneous impact of road access on spatial development in Brazil. World Development, v. 127, p. 104739, 2020.

BERTAGLIA, P. R. Logística e gerenciamento da cadeia de abastecimento. 3ª ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

CHIQUITO, A. R.; COSTA, V. M. H. M. A implantação de distritos industriais como estratégia de desenvolvimento econômico local. In: I World Congress on Systems Engineering and Information Technology, 2013, Porto, Portugal. Disponível em:<https://copec.eu/congresses/wcseit2013/proc/works/62.pdf>. Acesso em: 09 mar. 2022.

CHOPRA, S.; MEINDL, P. Gestão da cadeia de suprimento: estratégia, planejamento e operações. 6ª ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2016.

CHUEKE, G. V. LIMA, M. C. Pesquisa qualitativa: evolução e critérios. In: Revista Espaço Acadêmico, v. 11, n. 128, p. 63-69, 2012.

CNT – CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO TRANSPORTE. Pesquisa CNT de Rodovias 2019. Brasília, DF, 2019.

CNT – CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO TRANSPORTE. Transporte de carga no Brasil: ameaças e oportunidades para o desenvolvimento do país. Brasília, DF, 2008.

DEIMLING, M. F.; PARIZOTTO, D.; PAULECK, E. C.; SANTOS, T. A. Análise da Influência da logística de transportes rodoviários no custo Brasil. In: Revista de Administração do Unifatea – RAF, v. 13, n. 13, p. 166-188, 2016.

FIEG – FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE GOIÁS. Polos industriais do Estado de Goiás: Aparecida de Goiânia. Goiânia, GO, 2015.

GERHART, T.E.; SILVEIRA, D.T. Métodos de Pesquisa. ed. 1. Editora: UFRGS. 2009. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2022.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas - RAE, São Paulo - SP, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/rae/a/wf9CgwXVjpLFVgpwNkCgnnC/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em: 09 dez. 2022.

GHISOLFI, V.; RIBEIRO, G. M.; CHAVES, G. L. D.; FILHO, R. D. O.; HOFFMANN, I. C. S.; PERIM, L. R. Evaluating Impacts of Overweight in Road Freight Transportation: A Case Study in Brazil with System Dynamics. Sustainability, v. 11, n. 11, p. 3128, 2019. Disponível em: <https://www.mdpi.com/2071-1050/11/11/3128/htm>. Acesso em: 20 jan. 2023.

GUIMARÃES, V. A.; RIBEIRO, G. M.; FORTE, V. L.; LUCENA, A.; JUNIOR, A. M. L.; PEREIRA, L. C. S. N.; FORNACIARI, F. A. Localização-alocação de centros de integração logística submetidos a demandas par-a-par. Transportes, v. 25, n. 1, p. 51-60, 2017.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População: Aparecida de Goiânia. 2021. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/go/aparecida-de-goiania/panorama>. Acesso em: 08 mar. 2022.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. 2003. SEBRAE. Disponível em:<https://cupdf.com/document/glossario-de-arranjos-e-sistemas-produtivos-e-inovativos-arranjos-produtivos.html?page=1>. Acesso em: 09 mar. 2022.

LAURIA, I. O.; MOYSÉS, A.; VIEIRA, J. C.; MOTA, F. C. M. Distritos empresariais como agentes de desenvolvimento regional em áreas públicas de Aparecida de Goiânia- GO. Estudos Goiânia, v. 39, n. 1, p. 61-71, 2012.

LOPES, E. P. Características do transporte rodoviário de carga –TRC: infraestrutura logística e estrutura de mercado. CNA Brasil, 2015. Disponível em: <https://www.cnabrasil.org.br/assets/arquivos/artigostecnicos/artigo-09_0.39921000%201514912078.pdf>. Acesso em: 05 mar. 2022.

LOZANO, J. R. L. Gestão de Negócios Internacionais. PUC GOIÁS, 2015. p. 2. Notas de aula. Disponível em: <http://professor.pucgoias.edu.br/SiteDocente/admin/arquivosUpload/3843/material/4%20A%20competitividade%20internacional.pdf>. Acesso em 25 jan. 2023.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E.M. Fundamentos de Metodologia Científica. ed. 8. São Paulo: Atlas. 2017.

MARCHETTI, D. S.; FERREIRA, T. T. Situação atual e perspectivas da infraestrutura de transportes e da logística no Brasil. BNDES, Brasília, 2012.

MARSHALL, A. Princípio de economia política. Ed. Abril cultural, v.1 (Os Economistas), São Paulo, 1982.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; NETO, O. C.; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 6ª ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes Limitada, 2007.

MINTZBERG, H; AHLTRAND, B; LAMPEL, J. Safári de Estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Ed. Bookmam, São Paulo: 2010.

NUNES FILHO, P. S. Vantagem competitiva: precedentes teóricos da análise do diamante nacional de Porter. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Federal da Bahia– Salvador, 2006.

OLIVEIRA, S. E. M. C. Cadeias globais de valor e os novos padrões de comércio internacional: uma análise comparada das estratégias de inserção de Brasil e Canadá. Brasília: FUNAG, 2015.

OLIVEIRA, T. N; MELO, J. A. M. O efeito da infraestrutura rodoviária sobre os custos operacionais das transportadoras de carga. In: Revista Negócios em Projeção, v. 10, n° 2, p. 108-113, 2019.

PREFEITURA DE APARECIDA DE GOIÂNIA. A cidade 2022. Disponível em: <https://www.aparecida.go.gov.br/a-cidade/>. Acesso em: 15 mar. 2022.

PREFEITURA DE APARECIDA DE GOIÂNIA. PIB de Aparecida cresce 122% nos últimos dez anos. 2019. Disponível em: <https://www.aparecida.go.gov.br/pib-de-aparecida-cresce-cerca-de-122-nos-ultimos-dez-anos/>. Acesso em: 15 mar. 2022

PRÉVE, A. D.; MORITZ, G. O.; PEREIRA, M. F. Organização, Processos e Tomada de Decisão. Florianópolis, SC: Departamento de Ciências da Administração/UFSC; CAPES: UAB, 2010.

PORTER, M. E. Competição: estratégias competitivas comerciais. Rio de Janeiro: Elsevier, 1999. p. 113-124.

PORTER, M. E. Vantagem Competitiva das Nações. RJ: Campus, 1993.

PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 2 ed. Rio de Janeiro: Campus, Elsevier, 2004.

PÚBLIO, M. A. Como planejar e executar uma campanha de propaganda. São Paulo: Atlas, 2008.

QUINTELLA, R. P. M. M. Proposta de sistema para diagnóstico das operações de comércio exterior. Rio de Janeiro, 2004. 113p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Industrial) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

REZENDE, A. C.; CAMPOLINA, B.; PAIXÃO, A. N. Clusterização e localização da indústria de transformação no Brasil entre 1994 e 2009. Revista Econômica do Nordeste, v. 43, n. 4, p. 27-50, 2012.

SANTOS, I. L. As vantagens comparativas das exportações portuguesas: um caso prático. 2013. Dissertação (Mestre em Economia) – Universidade de Aveiro, Portugal, 2013.

SILVA, K. A. O. Vantagens comparativas, especialização comercial e recursos naturais em países selecionados (1980-2012). 2015. Tese (Doutorado em Ciências Sociais Aplicadas) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015.

SCHLUTER, M. R. Sistemas logísticos de transportes. Curitiba: InterSaberes, 2013.

TEIXEIRA, F. Políticas Públicas para o Desenvolvimento Regional e Local: o que podemos aprender com os Arranjos Produtivos Locais (APLs)?. O&S - v.15 - n.46, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/osoc/v15n46/03.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2023.

TUNES, R.; MONTEIRO, P. R. R. Conhecimento em gestão, vantagem competitiva e performance empresarial: proposição e teste de um modelo fundamentado na “Resourse Advantage Theory” em MPES. In: REMark – Revista Brasileira de Marketing, v. 16, n. 3, 298-316, 2017.

VINUTO, J. A Amostragem em Bola de Neve na Pesquisa Qualitativa: Um debate em aberto. Revista Temáticas, n. 22, p. 203–220, 2014. Disponível em: <https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/10977/6250>. Acesso em: 22 mar. 2022.

WANKE, P.; FLEURY, P. F. Transporte de cargas no Brasil: estudo exploratório das principais variáveis relacionadas aos diferentes modais e às suas estruturas de custos. Estrutura e dinâmica do setor de serviços n

Downloads

Publicado

2023-08-31

Edição

Seção

Artigos